Make your own free website on Tripod.com
Em busca da misteriosa VERDADE... | Iniciação Misteriosa | Mistérios do Processo da Morte | Mistérios da Transição | Mistérios do Outro Lado | Mistérios do Além-Vida do Viciado | Mistérios das Vidas Passadas | Mistérios da Noite Negra | Mistérios da Vida | Mistérios de Taphitat | Mistérios do Astral | Mistérios da Sincronicidade | Mistérios do Perfeccionismo | Mistérios de Deus | Mistérios Oníricos | Mistérios dos Sonhos | Mistérios da Energização | Mistérios da Reza | Mistérios da Religião | Mistérios da Família | Mistérios da Preocupação | Mistérios dos Nossos Corpos | Mistérios do Maldoso | Mistérios do Idioma Animal | Amigos Misteriosos-1 | Amigos Misteriosos-2 | Amigos Misteriosos-3 | Amigos Misteriosos-4 | Amigos Misteriosos-5 | Amigos Misteriosos-6 | Amigos Misteriosos-7 | Amigos Misteriosos-8 | Amigos Misteriosos-9 | Amigos Misteriosos-10 | Amigos Misteriosos-11 | Mistérios do Sobrenome Veado | Emita sua misteriosa opinião sobre esta PG MM | Misteriosa Autobiografia do Misterioso Autor | Misterioso Retorno

Home

MISTÉRIOS MARCORELIANOS
Amigos Misteriosos-7

NÃO SE ABORREÇA
Marcos de Castro
Médico e Mestre Mahakaruna

camaraegipcia.jpg


A medicina e a psicologia a cada dia se encontram mais unidas na procura de soluções para as doenças dos seres humanos. Deste propósito, resultou uma área de especialização para estes profissionais, que se denomina Psicologia Médica ou Medicina Psicossomática, ou simplesmente Psicossomática, exercida tanto por médicos quanto por psicólogos.
O grande objetivo desta especialidade é o rastreamento das causas psicológicas que levam à doença manifestada no corpo físico.
Isto demonstra que no âmbito científico existe uma preocupação quanto à provável integridade ou, melhor dizendo, interação entre o campo psi e o campo somático, ou seja entre o emocional e o físico.
Eu disse provável, para não ferir os métodos da ciência, que necessita respeitar certos preceitos de investigação para poder declarar um achado como cientificamente comprovado. É bom que seja assim, pois do contrário haveria uma avalanche de hipóteses dadas como verdadeiras simplesmente pelo fato de parecerem verossímeis.
Porém, no âmbito das pesquisas psíquicas e das vivências relacionadas aos corpos energéticos e sutis do ser humano (dos seres vivos), estas premissas já foram incorporadas ao campo da realidade plenamente aceita pelas pessoas dotadas de percepção extra-sensorial.
Quando se rastreia um portador de uma doença física, pode-se ver com os olhos clarividentes o envolvimento dos demais corpos no processo de progressão da doença.
Sabe-se que as doenças surgem inicialmente nas estruturas mais sutis até alcançarem o corpo sólido, ou seja o corpo físico.
Exemplificando, uma pessoa pode apresentar uma úlcera gástrica, que numa fase inicial foi uma gastrite. Isto é, antes de haver uma erosão na parede do estômago, houve primeiramente uma irritação, uma hiperemia.
Porém, é muito comum se ouvir falar que fulano tem uma úlcera ou gastrite nervosa. Isto já explica metade da história da úlcera ou gastrite.
O paciente, a partir de desajustes emocionais (o que surge por um impacto primário a nível mental ou emocional) desenvolve um desequilíbrio no hipotálamo (estrutura existente na região central do cérebro e denominada de centro das emoções, do ponto de vista neurológico), que deflagra impulsos neuro-hormonais que, através do sistema neurológico - nervo vago -, estimulam a produção de um outro hormônio (gastrina), que, por sua vez, estimula a produção de suco gástrico, que, pela sua acidez (contém ácido clorídrico), agride e fere a parede do estômago (células mucosas).
Esta agressão ocorre pela falta de proteção da parede gástrica, o que é feito pela produção de muco pelo estômago.
Quando a pessoa fica nervosa, ela dá início a todo este processo. Porém, acontece às vezes que isto se dá num momento em que ela não está se alimentando. E o muco só é produzido a partir de um estímulo que se inicia com a intenção e o ato de comer.
Logo, este estado nervoso faz com que seja liberado o ácido clorídrico sem a devida proteção, levando à irritação da parede gástrica e dando ensejo ao aparecimento de uma gastrite e posteriormente, com a persistência deste quadro, ao surgimento da úlcera.
Como se pode ver, esta foi uma manifestação psicossomática, ou seja algo que começou no mental, passou pelo emocional e chegou ao físico.
Poder-se-ia ainda exemplificar de uma outra maneira, um pouco menos científica, porém bastante esclarecedora.
Imagine à sua frente os três objetos: uma pena de passarinho, uma folha de papel amassada e uma pedra.
Sopre, de uma maneira suave, sobre os três objetos. Qual se moverá primeiro? A pena, naturalmente.
Sopre um pouco mais forte. E então, o que acontece? A pena voa e o papel se move em seguida.
Ponha, agora, um muito potente ventilador sobre os três objetos. Pode-se observar que a pena voa longe, o papel se desloca bastante e a pedra sofre um certo deslocamento.
É isto que se passa no processo mórbido, no aparecimento de uma doença. A primeira estrutura a sofrer o impacto é o corpo mental, mais sutil, que vem a transmitir ao corpo emocional o estado de desequilíbrio sofrido. Por último, o corpo físico manifesta a doença.
Isto ocorre mesmo em se tratando de doenças que aparentemente somente se manifestam no corpo físico, como, por exemplo, uma infecção por vírus.
Os desequilíbrios energéticos do corpo mental desestruturam determinados chacras no corpo emocional, que levam a um desequilíbrio deste corpo sutil. Este estado energeticamente instável é transferido ao corpo etérico - corpo bioplásmico que nutre energeticamente o corpo físico -, que pode ter determinados chacras desequilibrados, como, por exemplo, o 4o chacra (chacra cardíaco), que é encarregado de manter o sistema imunológico em perfeito funcionamento. Este desajuste permite ao vírus se multiplicar e determinar a manifestação de doenças no campo físico denso.
Tudo isto nos leva à compreensão de que qualquer aborrecimento pode produzir doença no ser humano, seja ela uma doença psíquica (psicose), uma doença emocional (neurose) ou uma doença física.
Por isso, pelo menos só por hoje, não se aborreça. Este é um preceito milenar da cultura japonesa, tendo sido adotado também pelo Reiki.
O homem necessita se preservar. Precisa avaliar e tomar consciência de que o ódio, a raiva, o aborrecimento são agentes de doença. Que somente dominando estes impulsos ele pode deixar a mente livre para os pensamentos construtivos, para a prática da compreensão, da amizade, do compartilhamento amoroso, do amor incondicional. Estes são os alicerces da felicidade e da prosperidade e, naturalmente, da saúde.

Página do Autor