Make your own free website on Tripod.com
Em busca da misteriosa VERDADE... | Iniciação Misteriosa | Mistérios do Processo da Morte | Mistérios da Transição | Mistérios do Outro Lado | Mistérios do Além-Vida do Viciado | Mistérios das Vidas Passadas | Mistérios da Noite Negra | Mistérios da Vida | Mistérios de Taphitat | Mistérios do Astral | Mistérios da Sincronicidade | Mistérios do Perfeccionismo | Mistérios de Deus | Mistérios Oníricos | Mistérios dos Sonhos | Mistérios da Energização | Mistérios da Reza | Mistérios da Religião | Mistérios da Família | Mistérios da Preocupação | Mistérios dos Nossos Corpos | Mistérios do Maldoso | Mistérios do Idioma Animal | Amigos Misteriosos-1 | Amigos Misteriosos-2 | Amigos Misteriosos-3 | Amigos Misteriosos-4 | Amigos Misteriosos-5 | Amigos Misteriosos-6 | Amigos Misteriosos-7 | Amigos Misteriosos-8 | Amigos Misteriosos-9 | Amigos Misteriosos-10 | Amigos Misteriosos-11 | Mistérios do Sobrenome Veado | Emita sua misteriosa opinião sobre esta PG MM | Misteriosa Autobiografia do Misterioso Autor | Misterioso Retorno

Home

MISTÉRIOS MARCORELIANOS
Amigos Misteriosos-2

ALGUMA COISA PULA EM MINHA CAMA
Edison Flávio Martins
Médico

oser.jpg

Este caso é diferente do que se costuma encontrar em sessões de Terapia. O terapeuta durante as sessões muitas vezes se envolve nas vivências e se emociona com o sofrimento de seus clientes. Nem sempre porém são emoções negativas. Há espaço para o humor em algumas situações como a que apresento abaixo.
Esta senhora não estava se queixando de qualquer distúrbio emocional ou psicossomático quando me procurou. Apenas estava sem saber onde buscar auxílio e pensou na Terapia Regressiva como uma última tentativa de resolver o que estava ocorrendo em sua casa.
A Terapia Regressiva utiliza-se de muitas técnicas que nem sempre nos levam à uma regressão. Como exemplo temos a Exploração de Aura, desenvolvida por Hans TenDam. No caso de Dona Florinda utilizei uma adaptação desta técnica. No estado alterado de consciência em que se colocam os pacientes em uma sessão de terapia, todos tem a visão clarividente e quando pedimos para eles se imaginarem olhando seus corpos do lado de fora e em uma posição acima dele, eles conseguem ver sua própria aura e também todos os defeitos que ela possa apresentar como buracos, rasgões ou energias de cores estranhas. Esta técnica foi utilizada neste caso para esclarecer o que estava acontecendo na casa de Dona Florinda, pedindo-lhe que com os olhos da mente fosse observa-la de uma posição acima dela.
Vamos então passar ao relato do caso.

Certa vez eu estava dando uma entrevista em uma rádio e os ouvintes participavam pelo telefone através de perguntas. Dona Florinda era uma das pessoas que ligou e fez a seguinte pergunta:

- Doutor, tem umas coisas que pulam em minha cama mas eu não consegui descobrir o que é. Eu vejo as marcas de pés afundando na colcha mas não vejo mais nada. Já procurei ajuda de pais de santo, padres e muitas outras pessoas mas até agora ninguém conseguiu descobrir o que é. O Senhor acha que com a hipnose ou com a sua Terapia Regressiva conseguiria resolver este caso?

Respondi que não poderia descobrir muita coisa tendo por base apenas essas informações mas que se ela me procurasse poderíamos tentar.
Depois de um mês Dona Florinda ligou para mim se identificando como a aquela ouvinte em cuja casa estavam acontecendo coisas estranhas. Compareceu à sessão alguns dias depois. Era uma senhora de origem italiana com 76 anos sorridente e bem humorada. Contou sua história rindo e parecendo se divertir muito.
Até julho de 1997 morava em um apartamento com uma irmã e naquele lugar nunca havia percebido nada de diferente. A irmã havia comprado uma casa e a reforma estava pronta quando ela se internou para uma cirurgia ginecológica. Enquanto ela estava no hospital, a irmã fez a mudança de modo que ao ter alta foi viver na nova casa.
Os pedreiros que fizeram a reforma contavam que o antigo morador tinha uma inimizade com um vizinho e eles viviam discutindo por qualquer coisa. Ele acabou tendo que mudar de lá. Os vizinhos da casa contam que o verdadeiro motivo para ele se mudar foi que aconteciam coisas estranhas na casa e ele foi embora de medo.
As coisas estranhas não começaram imediatamente. Era fevereiro de 1999 e sempre que ia para o seu quarto a noite ficava vendo televisão sentada com as pernas esticadas e as costas apoiadas no espaldar da cama. Como é baixinha, sobrava muito espaço livre na parte de baixo da cama. Tinha uma gatinha que ficava com ela no quarto mas sempre deitada em uma cadeira perto da cama.
Uma noite foi se deitar depois da meia noite. Tomou a posição habitual e sentiu como se houvesse alguma coisa mexendo em sua cama. Pensou que fosse a gatinha mas ela continuava dormindo na cadeira .Parecia que alguém ou alguma coisa arranhava o colchão que chegava a balançar. Florinda ficou muito assustada e começou a rezar mas a coisa não parava. Ficou rezando até as duas horas da madrugada quando os movimentos pararam.
Isto continuou todos os dias quando ia se deitar e com o tempo, passou a acontecer em qualquer hora que se deitasse na cama. Via a colcha afundar como se fossem pés pisando sobre ela mas não via o dono dos pés. A impressão era de pés de um animal. Florinda se assustava cada vez mais e começou a cercar sua cama de terços, santinhos, amuletos e tudo o que as vizinhas lhe ensinavam para afastar espíritos mas nada parecia adiantar. A coisa parava mais ou menos duas horas depois de começar e não voltava até o dia seguinte.
Florinda imaginou que o problema fosse apenas com ela mas logo isto também começou a acontecer na cama da irmã. Não adiantou mudar a cama de lugar ou jogar sal grosso ou água benta, copo de água embaixo da cama, etc. Resolveu queimar a cama e comprou uma nova. No mesmo dia voltou a acontecer tudo de novo.
Logo começou a pedir ajuda para curandeiros, macumbeiros e até um padre exorcista esteve em sua casa, sem obter qualquer mudança no fenômeno. As opiniões dessas pessoas:

" Um médium espírita falou que eram "formas pensamento".
" Uma amiga espírita orientou para ir levar velas e rezar no cemitério.
" Um padre que se diz parapsicólogo disse que aquilo era um "poltergeist" e que isto devia ser causado por alguma pessoa perturbada que vivia na casa, geralmente crianças. Só que na casa de Florinda não moram crianças. O padre fez vários rituais e nada adiantou.
" Uma faxineira que trabalha na casa foi perguntar em um centro de Umbanda e disseram que há muitos anos faleceu uma pessoa naquela casa e seu espírito permaneceu no local. Receitou uma porção de ervas, banhos, defumações, etc. sem qualquer melhora.
" Uma outra amiga espirita, perguntou aos espíritos em uma sessão em seu centro e as entidades responderam que o ectoplasma de Florinda era o causador dos fenômenos. Sugeriu que ela fosse tomar passes em um centro espirita, o que Florinda fez mas não adiantou.
" Foi à uma Igreja Batista e o pastor se prontificou a ir à casa dela porque estava sentindo que não era coisa boa. Foi com a esposa até a casa de Florinda. Mandou tirar todas as imagens, ídolos, estátuas e Gnomos e queimou tudo menos os terços e as imagens de Jesus e a de Santa Terezinha porque ela é a santa de devoção de Florinda. Nada mudou.
" Uma amiga da sua sobrinha disse que era o Gnomo que estava se vingando porque ela havia parado de dar maçãs para ele. Florinda antes destes acontecimentos tinha um Gnomo de jardim e sempre punha frutas para ele mas ultimamente havia se esquecido disso. Voltou a colocar maçãs mas não adiantou.

A casa de Florinda era um entra e sai de curiosos e palpiteiros e ela acabou expulsando todo mundo porque estava perdendo a esperança de conseguir se livrar daquele problema. Foi então que ouviu a entrevista no rádio e resolveu procurar-me como uma última tentativa de resolver ou entender aquilo.
Na primeira sessão, pedi para ela fechar os olhos e imaginar que uma parte dela ficaria no consultório conversando comigo e outra parte iria sobrevoar sua casa e olhar todos os cômodos a procura de alguma coisa que lhe chamasse a atenção. Ela foi então me contando o que via e ao dirigir sua atenção para seu quarto, viu uma coisa sem forma, branca com mais ou menos dois metros de altura andando em sua cama. Parecia uma massa de algodão mas muito tênue. Havia também uma porção de outros seres com o mesmo aspecto mas pequenos. Parecia uma família. Florinda ficou muito assustada de início mas quando se acostumou, perdeu o medo. Não sabíamos o que era aquilo e fizemos várias tentativas de entrar em contato com aqueles seres mas nada dava certo. Sugeri então que o inconsciente de Florinda iria entrar em contato com o maior deles e me responder sim ou não de acordo com um código de sinais com os dedos que combinei com ela. Fiz várias perguntas:

- Você é uma alma humana?
- R - Não.
- Você é um vegetal?
- R - Não.
- Você é um espírito da natureza (elementais)?
- R - Não.
- Você é um animal?
- Sim.

Nesse momento em que se concluiu que era um espirito de animal, parei de fazer perguntas porque não tive idéia de como esclarecer que animal era aquele. Eu e Florinda propusemos que eles fossem morar em um terreno baldio vizinho da casa e que não viessem mais perturbar o sono dos moradores da casa. Eles aparentemente aceitaram. Encerrei a sessão esperando que o problema estivesse resolvido.
Nessa época, fui à São Paulo para assistir um curso de Terapia Regressiva que seria ministrado por Hans TenDam. Durante o intervalo de almoço conversei com ele e lhe contei este caso. Hans contou que já havia tido casos semelhantes em que haviam espíritos de animais. Explicou que o animal não conhece sua própria forma e é por isso que ao morrer, seu aspecto pode ser aquele que minha cliente havia descrito. Conversamos sobre que animal poderia ser e achamos mais provável tratar-se de uma gata e seus gatinhos, pelo tipo de comportamento que apresentavam. Os gatos costumam se ligar muito ao lugar onde vivem e existem casos em que a família se muda e eles se recusam a acompanha-los, preferindo ficar na antiga casa. Eles também costumam gostar de lugares macios como camas acolchoadas e tem o costume de arranhar o chão ou qualquer superfície com as garras. Tudo isto se encaixava no comportamento daqueles seres que perturbavam o sossego na casa de Dona Florinda.
Na semana seguinte, Dona Florinda veio para a sessão dizendo que os fenômenos haviam parado por 2 dias e depois recomeçaram mas de uma maneira bem mais suave. Florinda falou com eles sobre o acordo que havíamos feito e as manifestações pararam mas continuavam voltando todos os dias. Só paravam de perturbar quando ela falava energicamente com eles. Parece que Florinda estava conseguindo conviver com os tais seres e não tinha mais medo. Contei à ela sobre a conversa com Hans TenDam e ela também achou que poderiam ser gatos.
Entramos em contato com os seres e descobrimos que eles não gostaram de ficar longe daquela casa. Parece que o apego deles era com a casa e não tinham qualquer intenção de prejudicar os moradores. Perguntei à Dona Florinda se ela queria mesmo se livrar deles e ela disse que sim. Disse então que iria tentar coloca-los em um tubo cilíndrico de luz que os levaria para onde deveriam ter ido quando morreram. Ela concordou mas logo começou a chorar porque já estava se afeiçoando àqueles seres que apesar de tão esquisitos, eram uma boa companhia. No fim ela concordou com o procedimento.
Dona Florinda telefonou-me um mês depois para dar notícias. Disse que os fenômenos haviam cessado completamente mas que ela começou a sentir muita falta deles. Não tinha mais medo dos "bichinhos" e começou a sentir muita saudades deles e desejar que voltassem. Logo os fenômenos recomeçaram mas ela tinha pleno controle sobre eles. Tratava-os do mesmo modo como tratava sua gatinha e quando não queria que ficassem em sua cama simplesmente falava com eles energicamente e os fenômenos paravam.
Ela agora tem uma gata que dorme na cadeira e uma família de espíritos de gatos que só lhe dão alegrias.

Página do Autor